domingo, 2 de janeiro de 2011

ESPECIAL: A Década do Botafogo


A estrela solitária voltou a brilhar em 2010. O Botafogou interrompeu uma sequência de vice-campeonatos para o Flamengo e derrotou o rival no Carioca deste ano. E não foi uma simples conquista. Teve sabor especial. O Glorioso venceu os dois turnos (Taça Guanabara e Taça Rio) e não precisou jogar finais. Além disso, a arrancada para o título começou após uma goleada de 6 a 0 imposta pelo Vasco. Aí chegou Joel Santana. O resultado todos sabem: campeão estadual.

A década teve um rebaixamento para a Série B do Brasileiro, mas logo superado. O Botafogo voltou à elite nacional e passou por um processo de reorganização. A estrutura alvinegra melhorou. O Botafogo tem como casa o Engenhão, um dos estádios mais modernos do Brasil, e esperança de ter muito sucesso nos próximos dez anos.

Títulos:

2006 - Campeonato Estadual
2010 - Campeonato Estadual
Time ideal:
Jefferson; Joílson, Sandro, Juninho e César Prates; Leandro Guerreiro, Túlio, Lucio Flavio e Zé Roberto; Dodô e Loco Abreu. Técnico: Joel Santana

Jogo mais marcante:
Botafogo 2x1 Flamengo (2010)
Em disputa pela final do Estadual, após três derrotas seguidas para o rival, o Glorioso vence com gols da dupla de ataque Herrera e Loco Abreu, com cavadinha do último. Mesmo com uma equipe teoricamente mais fraca, o Alvinegro derrota o adversário que contavas com astros como Adriano, Vagner Love e Bruno. Jefferson ainda pegou um pênalti do Imperador. O jogo lavou a alma dos botafoguenses.

Jogo mais decepcionante:

River Plate 4x2 Botafogo (2006)
Oitavas de final da Sul-Americana. Mesmo sem ser uma decisão, o jogo teve proporções catastróficas e traumatizou o torcedor alvinegro. O Glorioso vencera o primeiro jogo por 1 a 0 e no segundo tempo batia os argentinos por 2 a 1 com um homem a mais em campo. A célebre frase " Tem coisas que só acontecem ao Botafogo" nunca se encaixou tão bem como desta vez, traduzindo bem a tragédia. Faltando pouco mais de 15 minutos, a equipe tomou três gols, sendo o último deles nos acréscimos e conseguiu a façanha de perder uma classificação encaminhada. Decepção é a palvara para este triste episódio.

Fonte: lancenet

Botafogo ganha mais um ídolo na década, Loco Abreu

Loco Abreu cai nas graças da torcida com carisma e gols

surgiu mais um ídolo: Loco Abreu. O uruguaio tem pouco tempo de casa, mas o seu carisma arrebatou a torcida. Além dos gols, é claro. Tem como esquecer a cavadinha na final da Taça Rio contra o Flamengo de Bruno (algoz em outras decisões)

Grande ídolo do Botafogo após Túlio Maravilha, fez o gol do título estadual após três vice-campeonatos seguidos sobre o maior rival, cobrando pênalti com sua cavadinha "humilhando" Bruno, algoz das últimas decisões. Mesmo com apenas um ano de clube, seus gols, sua raça e seu forte carisma enlouqueceram o torcedor alvinegro que viu no uruguaio um novo ídolo. Loco Abreu é supersticioso como o Botafogo e só joga com a 13. É a cara do Glorioso.

Fonte: lancenet

CBF unifica titulos e o Botafogo é Bi-Campeão Brasileiro

O Botafogo comemorou a oficialização dos títulos brasileiros pela Confederação Brasileira de Futebol. Agora o clube é definitivamente bicampeão brasileiro, com a anexação da Taça Brasil conquistada em 1968, com a conquista do Campeonato Brasileiro de 1995.

Com o anúncio da CBF, foi realizada uma cerimônia na qual o presidente do clube Mauricio Assumpção e o vice Antônio Carlos Mantuano compareceram.

Ricardo Teixeira, presidente da entidade máxima do futebol brasileiro explicou a sua decisão de unificar os títulos. "Fui procurado com uma vasta documentação em que os clubes pediam o reconhecimento dos campeonatos de 1959 a 1970. A CBF está tomando uma decisão histórica na medida que reconhece um passado de ouro do futebol brasileiro. Como presidente da CBF, tenho o orgulho de parabenizar os jogadores e torcedores de Santos, Palmeiras, Botafogo, Fluminense, Bahia e Cruzeiro pelas conquistas ", disse.

Para o Botafogo, o reconhecimento do título da Taça Brasil de 1968 premia uma geração de ouro do clube, que encantou o país e o mundo na década de 60. Neste período, o Glorioso foi bicampeão carioca duas vezes (em 1961 e 1962 e em 1967 e 1968), conquistou três vezes o Rio-São Paulo (1962, 1964 e 1966), sem contar os diversos títulos em excursões internacionais.

Além disso, o Botafogo foi base da Seleção Brasileira em seus anos dourados, com a conquista de três Copas do Mundo em quatro disputadas. Nilton Santos, Garrincha e Didi (1958 e 1962), Amarildo e Zagallo (1962), Jairzinho, Paulo Cézar Caju e Roberto Miranda (1970) eram jogadores do clube nestes títulos. Fora eles, Paulinho Valentim, Quarentinha, Manga, Gerson (também campeão do mundo), Rildo, Sebastião Leônidas, Carlos Roberto, Waltencir e Nei Conceição, entre outros, também serviram à Seleção no período.

Em comunicado o Botafogo parabenizou os jogadores da conquista: "(São) os heróis da Taça Brasil de 1968, eternos ídolos do clube e, agora, campeões brasileiros oficialmente".


*Com a unificação, o Botafogo tornou-se o primeiro time carioca a conquistar o Campeonato Brasileiro de Futebol.