segunda-feira, 14 de maio de 2012

Botafogo vence o Vasco e é campeão invicto da Taça Rio




















O histórico favorável ao Botafogo em decisões em cima do Vasco continua. Na tarde deste domingo no Engenhão, o Glorioso venceu o Cruz-Maltino por 3 a 1, neste domingo no Engenhão, e conquistou de maneira invicta a Taça Rio. Marcaram Loco Abreu, em duas oportunidades ainda no primeiro tempo, e Maicosuel no início da segunda etapa. Carlos Alberto, já na segunda metade da etapa final, fez o de honra dos vascaínos. Com isso, o Botafogo, pela primeira vez deu a volta olímpica em seu estádio.

E o jogo começou em alta velocidade. Logo aos quatro minutos do primeiro, o Botafogo abriria o placar. Após o Vasco ceder uma lateral pela meia esquerda depois de uma tentativa de contra-ataque, Maicosuel cobraria rápido percebendo o avanço em disparada de Márcio Azevedo. O lateral chegou à linha de fundo e cruzou na medida para Loco Abreu fazer o primeiro.
O Vasco não demorou muito para responder. Aos 7, em boa trama do ataque cruz-maltino, Felipe recebe na entrada na área, vê a movimentação dos atacantes e nota Eder Luis livre dentro da área. O camisa 7 ajeitaria e chutaria para fora.
Com a vantagem no placar, o Botafogo decidiu por esperar o Vasco em seu campo e sair rapidamente para o contra-ataque, com a boa presença de Maicosuel e Andrezinho. Com isso, o Cruz-Maltino encontrava muita dificuldade para armar boas jogadas ofensivas, já que Felipe não conseguia se livrar da boa marcação.
Aos 20 minutos, em falta cobrada pela esquerda. A bola pipocou dentro da área do Vasco, até sobrar para Loco, mas o uruguaio não conseguiu tirar Fernando Prass da jogada. Aos 25, nova investida alvinegra. Em outro rápido contra-ataque, Maicosuel faz linda jogada na entrada da área, dribla dois e toca para entrada de Elkeson, que chuta na rede pelo lado de fora.
O Vasco só voltou a ameaçar aos 30, novamente com Eder Luis. O ponta recebeu passe escorado por Alecsandro e pegou de primeira. A bola passou por cima do gol de Jefferson. Mas o contra-ataque do Botafogo voltou a assustar aos 37. Em lance parecido com o primeiro gol, Maicosuel recebe na intermediária de defesa, vê a rápida passagem de Márcio Azevedo. O camisa 6 entra na área, corta o defensor, mas erra o passe.
Aos 43, a melhor chance vascaína. Em boa jogada de Fagner pela direita, o lateral chega a linha de fundo, cruza, e a bola é mal rebatida por Antônio Carlos. Eder Luis recebe o presente e chuta de primeira, mais uma vez por cima do gol de Jefferson. O castigo veio rapidamente, exatamente aos 45. Após falta de Felipe em Andrezinho, Elkeson coloca a boa na área, Fábio Ferreira escora para dentro da área e Loco Abreu só tem o trabalho de tocar com o pé direito e ampliar o placar. 2 a 0 Botafogo.
GOL DO MAGO E PRESSÃO VASCAÍNA

LOCO ABREU DUAS VEZES
Nas escalações, dois times ofensivos. O técnico Oswaldo de Oliveira armou o Botafogo com apenas Marcelo Mattos como volante de marcação. No lugar do lesionado Renato, Fellype Gabriel foi escalado como segundo volante. Já Cristovão Borges não fez mudanças em relação ao time que bateu o Flamengo na semifinal e manteve Fellipe Bastos no lugar de Juninho no meio de campo.
    
E o jogo começou em alta velocidade. Logo aos quatro minutos do primeiro, o Botafogo abriria o placar. Após o Vasco ceder uma lateral pela meia esquerda depois de uma tentativa de contra-ataque, Maicosuel cobraria rápido percebendo o avanço em disparada de Márcio Azevedo. O lateral chegou à linha de fundo e cruzou na medida para Loco Abreu fazer o primeiro.
O Vasco não demorou muito para responder. Aos 7, em boa trama do ataque cruz-maltino, Felipe recebe na entrada na área, vê a movimentação dos atacantes e nota Eder Luis livre dentro da área. O camisa 7 ajeitaria e chutaria para fora.
Com a vantagem no placar, o Botafogo decidiu por esperar o Vasco em seu campo e sair rapidamente para o contra-ataque, com a boa presença de Maicosuel e Andrezinho. Com isso, o Cruz-Maltino encontrava muita dificuldade para armar boas jogadas ofensivas, já que Felipe não conseguia se livrar da boa marcação.
Aos 20 minutos, em falta cobrada pela esquerda. A bola pipocou dentro da área do Vasco, até sobrar para Loco, mas o uruguaio não conseguiu tirar Fernando Prass da jogada. Aos 25, nova investida alvinegra. Em outro rápido contra-ataque, Maicosuel faz linda jogada na entrada da área, dribla dois e toca para entrada de Elkeson, que chuta na rede pelo lado de fora.
O Vasco só voltou a ameaçar aos 30, novamente com Eder Luis. O ponta recebeu passe escorado por Alecsandro e pegou de primeira. A bola passou por cima do gol de Jefferson. Mas o contra-ataque do Botafogo voltou a assustar aos 37. Em lance parecido com o primeiro gol, Maicosuel recebe na intermediária de defesa, vê a rápida passagem de Márcio Azevedo. O camisa 6 entra na área, corta o defensor, mas erra o passe.
Aos 43, a melhor chance vascaína. Em boa jogada de Fagner pela direita, o lateral chega a linha de fundo, cruza, e a bola é mal rebatida por Antônio Carlos. Eder Luis recebe o presente e chuta de primeira, mais uma vez por cima do gol de Jefferson. O castigo veio rapidamente, exatamente aos 45. Após falta de Felipe em Andrezinho, Elkeson coloca a boa na área, Fábio Ferreira escora para dentro da área e Loco Abreu só tem o trabalho de tocar com o pé direito e ampliar o placar. 2 a 0 Botafogo.
Na volta para segunda etapa, o técnico Cristovão Borges procurou mudar o jogo com duas substituições. Alecsandro e Felipe deixaram o campo para as entradas de Juninho e Allan, respectivamente.
E o Vasco voltou com tudo. Logo aos 2 minutos, Eder Luis foi a linha de fundo e cruzou. Fellipe Bastos pegou de primeiro com a canhota e acertou o travessão do goleiro Jefferson. Um minuto depois, Eder Luis pega mais uma bola da entrada da área. A bola passa rente a trave do camisa 1 alvinegro.
Mas a reação sofreu um balde de água fria. Em uma falta despretensiosa no campo de defesa do Botafogo, Antônio Carlos faz lindo lançamento, em direção a Maicosuel. O Mago aproveita falha de Fagner que deixa a bola passar, domina com estilo e toca na saída de Fernando Prass. Era o terceiro do Botafogo.
Com o terceiro, o impeto cruz-maltino foi diminuindo gradativamente com o passar dos minutos, inversamente proporcional ao nervosismo dos jogadores. Nem a entrada de Carlos Alberto, aos 23 minutos no lugar de Fagner, animou o Vasco. A pressão, que antes não chegava perto de ameaçar o Botafogo, deu resultado aos 35 minutos. Após escanteio cobrado pela direita, a defesa do Botafogo não conseguiu aliviar o perigo. Carlos Alberto tabelou com Diego Souza e frente a frente com Jefferson não desperdiçou. Foi o primeiro gol do camisa 84 em seu retorno ao Vasco.
Com isso, todo o time vascaíno foi para cima atrás do empate. Diego Souza aos 42 fez linda jogada dentro da área do Botafogo, dando um chapéu do defensor. O chute passou sobre o gol do Botafogo. Como último suspiro, uma bola cruzada por Eder Luis quase chegou aos pés de Diego Souza. Mas o placar ficou no 3 a 1 e o título ficou com o Botafogo.
FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 3 X 1 VASCO
Local: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 29/04/2012, às 16h (de Brasília)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Assistentes: Luiz Antonio Muniz de Oliveira (RJ) e Rodrigo Henrique Correa (RJ)
Renda e público: R$ 1.150.480,00 e 35.321 pagantes
Gols: Loco Abreu (3'/1ºT), Logo Abreu (45'/1ºT), Maicosuel (7'/2ºT) e Carlos Alberto (35'/2ºT)
Cartões Amarelos: VAS: Diego Souza (5'/1ºT), Felipe (44'/1ºT), Juninho (7'/2º ) BOT: Andrezinho (36'/1ºT), Fábio Ferreira (37'/1ºT)
BOTAFOGO: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos, Fellype Gabriel (Gabriel, aos 37'/2ºT), Maicosuel (Herrera, aos 32'/2ºT) e Andrezinho (Jadson, aos 18'/2ºT); Elkeson e Loco Abreu.
Técnico: Oswaldo de Oliveira.
VASCO: Fernando Prass; Fagner (Carlos Alberto, aos 23'/2T), Renato Silva, Rodolfo e Thiago Feltri; Rômulo, Fellipe Bastos, Felipe (Allan, intervalo) e Diego Souza; Eder Luis e Alecsandro (Juninho, intervalo).
Técnico: Cristovão Borges.

Botafogo vence Bangu por 4 a 2 e disputará sua primeira final no Engenhão


O Botafogo jogou bem, criou muitas jogadas de ataque, mas precisou sofrer para vencer o Bangu por 4 a 2, neste sábado, no Engenhão. Com três gols de Loco Abreu, que perdeu um pênalti, e Maicosuel, o alvinegro — que ainda não perdeu neste ano — garantiu uma vaga na final da Taça Rio. Neste domingo, Flamengo e Vasco jogam para definir o adversário do próximo final de semana.
— A gente se prepara e treina todos os dias para conseguir alcançar nossos objetivos. Nosso primeiro objetivo era chegar a final. Parabéns ao Botafogo e ao Bangu, que num campo bom conseguiu jogar bem — disse Loco Abreu, alfinetando o presidente Rubens Lopes, que havia rebatido às críticas do uruguaio ao péssimo estado do gramado de Moça Bonita.
Questionado sobre o pênalti perdido, quando o Botafogo vencia por 3 a 2, Loco Abreu deu uma resposta seca:
— É melhor procurar qual foi a última vez que um jogador fez três gols. Vamos pelo lado positivo.
O Bangu entrou em campo sem Almir, ex-jogador do Botafogo e principal responsável pela recuperação da equipe na Taça Rio. Talvez por isso o time da Zona Oeste não conseguia armar jogadas de ataque, sobrecarregando Thiago Galhardo. Ao 18 minutos da primeira etapa, o meia, também ex-jogador do Botafogo, recebeu cruzamento de Renan Oliveira e chutou sobre o gol.
A chance do Bangu foi uma das poucas oportunidades da equipe no primeiro tempo. Foi o Botafogo quem mais atacou no primeiro tempo. Aos 20, Andrezinho chutou de fora, a bola quicou e Willian Alves defendeu no susto. Dois minutos depois, um lance polêmico. botou a mão dentro da área em bola aérea em dividida com Loco Abreu, mas o juiz não viu e deixou o jogo seguir. Aos 34, o Botafogo perdeu Renato, que saiu com dores. Maicosuel o substituiu.
O juiz voltou a não marcar um pênalti para o Botafogo aos 35, quando Elkeson roubou a bola de Oliveira na área do Bangu e, na sequência, foi derrubado pelo zagueiro. Aos 37 e 38 o Botafogo teve outras duas boas chances, com Loco Abreu e Fellype Gabriel, mas foi aos 39 que finalmente saiu o gol. Após escanteio pela direita, a bola desviou em Marcelo Mattos e sobrou para Loco Abreu, sozinho, tocar para o gol.

O Botafogo voltou para o segundo tempo bem. Logo aos 2 minutos, Andrezinho bateu falta com precisão e Loco Abreu marcou de cabeça 2 a 0. O jogo parecia definido, mas, cinco minutos depois, em lançamento ruim de Thaigo Galhardo que iria para fora, Lucas tentou cortar, enganou Jefferson e mandou para a própria rede, gol contra.
Depois de diminuir, o Bangu teve duas boas chances, mas o Loco Abreu marcou seu terceiro gol aos 14 minutos. Após lindo cruzamento de três dedos de Maiocosuel, o uruguaio cabeceou com precisão para o gol. A partida parecia mais uma vez definida, mas em nova falha após lançamento ruim do Bangu, dessa vez de Jefferson, Sérgio Júnior aproveitou e tocou para as redes vazias.
Aos 30, o Botafogo ficou com mais um quando Thiago Galhardo fez falta em Fellype Gabriel. Ele já tinha amarelo e levou o segundo, sendo expulso. Quatro minutos depois, Lucas foi derrubado na área e Eduardo Cordeiro marcou pênalti. Loco partiu para cobrança e mandou à esquerda do gol de Willian Alves. Foi o sexto pênalti perdido do uruguaio nos últimos sete jogos. No fim, o Bangu não teve forças para marcar e, em contra-ataque aos 46 minutos, Maicosuel recebeu de Márcio Azevedo e esperou a saída do goleiro para chutar e definir de vez a partida em 4 a 2.
Bangu 2 x 4 Botafogo
Local: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ))
Árbitro: Eduardo Cordeiro Guimarães (RJ)
Gols: Loco Abreu (3) e Maicosuel; Lucas (contra) e Sérgio Júnior
Renda: 243. 235. 00
Público: R$ / 15.757pagantes
Cartões amarelos: Márcio Azevedo, Fábio Ferreira (BOT); Oliveira, Raphael Azevedo, Sérgio Júnior, Thiago Galhardo (BAN)
Cartão Vermelho: Thiago Galhardo
Bangu: Willian; Alves, China, Raphael Azevedo, Santiago (Fernando Lopes) e Renan Oliveira; Oliveira (Tiano); André Barreto, Thiago Galhardo e Gabriel Galhardo (Gedeilson); Fabinho e Sérgio Junior. Técnico: Cleimar Rocha
Botafogo: Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos, Renato (Maicosuel) , Elkeson, Andrezinho e Fellype Gabriel; Loco Abreu (Herrera). Técnico: Oswaldo de Oliveira