quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Retrospecto do Botafogo em 2010

Campeonato Carioca:
a diretoria do Botafogo investiu bastante no time para a disputa do estadual, garantiu a permanência do goleiro Jefférson, contratou os atacantes Herrera e Loco Abreu, montou uma defesa forte com as contratações de Fábio Ferreira e Antônio Carlos, o começo foi dificil para o time, após a goleada sofrida de 6x0 diante do Vasco, o Clube demitiu o técnico Estevam Soares e trouxe Joel Santana que tratou logo de "sacudir, levantar a poeira e dar a volta por cima" Joel montou um time competitivo e com toda a sua experiência levou o Botafogo ao título estadual de 2010 vencendo os 2 turnos, o titulo mais impossivel que o Botafogo conquistou em toda sua história.

Copa do Brasil:
na Copa do Brasil o Alvinegro foi eliminado na 2ª fase para o Santa Cruz dentro do Engenhão,
sofrendo um gol nos acréscimos.

Homenagens e Comemorações:
No ínicio do ano a Torcida Alvinegra juntamente com o Clube "eternizou" Mané Garrincha no Engenhão ao lado do monumento dedicado ao seu compadre Nilton Santos, o grande ídolo Jairzinho também foi "eternizado" no Engenhão com uma estatua em sua homenagem, os monumentos são grandes obras do escultor Edgar Duvivier, O Glorioso completou em 2010, 106 anos de existência, comemorou também 21 anos do título histórico de 1989, e no último dia 25/09 o Glorioso comemorou 100 anos do Estadual de 1910.

Convocações:

O time que mais cedeu jogadores à Seleção Brasileira está novamente no cenário principal do país. Após ser representado por Garrincha, Didi, Nílton Santos, Zagalo e Manga, o Botafogo novamente coloca um jogador na Seleção pentacampeã Mundial. Em sua primeira convocação à frente do Brasil, o técnico Mano Menezes acabou com o jejum de 12 anos do Alvinegro ao escalar o goleiro Jefferson. A última vez em que o clube da Estrela Solitária esteve na equipe principal do país, foi na Copa do Mundo de 98, na França, quando os já veteranos Bebeto e Gonçalves conquistaram o vice-campeonato Mundial. Já o atacante El Loco Abreu representou o Glorioso na Copa do mundo de 2010 atuando pela Seleção do Uruguai.

Quebras de Tabus:

2010 foi o ano em que o Botafogo quebrou muitos tabus, o principal deles foi a conquista do Campeonato Carioca em cima do maior rival do Glorioso nos últimos anos, o Flamengo, após ser tri-vice pro Flamengo 2007/2008/2009, o Alvinegro conquistou em grande estilo e com direito a ''cavadinha'' de Loco Abreu no gol do título o título e quebrou o tabu de ser vice e acabou com a "fama" do quase, outro tabu quebrado foi vencer o São Paulo no Morumbi, o que não acontecia há 15 anos, desde 1995, quando o clube foi campeão brasileiro. além desses tabus o Botafogo também conseguiu ceder um jogador para a copa do mundo o que não acontencia desde 1998, o uruguai El Loco Abreu foi o Botafogo no Mundial de 2010 e o goleirão Jefférson recolocou o Glorioso na Seleção Brasileira.

Campeonato Brasileiro:

O Glorioso faz uma boa campanha no Brasileirão, brigando pelas primeiras posições na tabela o Time lutou até a ultima rodada para entrar no G3 e conquistar uma vaga na Libertadores da América de 2011. No meio do campeonato o Alvinegro sofreu uma baixa importante para o restante da temporada, o meia Maicosuel sofreu uma grave lesão e só voltou ao time em 2011. o time terminou em 6º lugar, a melhor campanha desde o titulo de 95

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Glorioso há 100 anos

Botafogo comemora 100 anos do título histórico

Time de 1910 atropelou os rivais no Campeonato Carioca

Bem antes da época de ouro e de ídolos como Garrincha e Nilton Santos, um grupo fez História ao ganhar o Carioca de 1910. O então Botafogo Football Club passou a ser chamado de Glorioso.

A campanha do “scratch” em 1910 foi avassaladora e contou com goleada de 6 a 1 sobre o Fluminense. Após o jogo, que deu o primeiro título inquestionável ao Botafogo, a imprensa adotou o Glorioso.

Entenda a origem do apelido

Motivo
Após perder na primeira rodada, o Botafogo venceu os outros nove duelos, quase todos por goleadas. Ao fim da competição, o Glorioso marcou 66 gols, com um média de 6,6 por partida.

O responsável
Nos dias seguintes ao título, a imprensa adotou de vez o apelido, que era falado por poucos, por causa da campanha impressionante. A alcunha pegou.

Sede da Voluntários da Pátria
As cartas enviadas ao Botafogo tinham como remetente apenas “Ao Glorioso”, sem o endereço da casa alvinegra. Atualmente, no lugar da primeira sede do clube, e do estádio do título de 1910, encontra-se a Cobal de Humaitá.

Loco Abreu representa o Botafogo na Copa do mundo de 2010

Abreu repete cobrança que levou Bota ao título e celebra: "entramos para história"

Sebástian Abreu é constantemente convocado para a Seleção Uruguaia, pela qual já disputou diversas competições como a Copa América de 1997, Copa América de 2007 e a Copa do Mundo FIFA de 2002. Atualmente, El Loco está à apenas 1 gol de se tornar o maior goleador de sua seleção. O uruguaio disputou a Copa do Mundo FIFA de 2010, cedido pelo Botafogo, chegando à competição como o jogador com maior número de gols marcados na carreira entre os 736 inscritos na competição. Antes do Mundial da África do Sul ele havia anotado 305 gols na carreira, três a mais que o francês Thierry Henry. Abreu foi decisivo para a vitória, nos pênaltis, contra Gana. Ele cobrou a última penalidade e marcou o gol, também de cavadinha, que garantiu o Uruguai nas semi-finais da Copa do Mundo FIFA de 2010.

Título do Estadual de 1989 do Botafogo completa 21 anos

Campeonato encerrou um longo jejum de 21 anos sem conquistas

Com uma passada rápida pelos livros de história dá para perceber que 1989 foi um ano movido por transformações. O Muro de Berlim caiu, aconteceram eleições diretas para presidente no Brasil e o Botafogo foi campeão. O último fato hoje parece normal, mas há exatamente 21 anos, no dia 21 de junho, a conquista significou o renascimento de um clube que estava na fila de títulos havia 21 anos.


A história tem muitos 21, mas o torcedor alvinegro certamente não se importa em ver o número repetido, já que a superstição caminhou ao lado do Glorioso naquele Carioca. Autor do gol que deu ao Glorioso o título invicto, diante do Flamengo, Maurício se emociona ao recordar o momento de glória.

– Quando estava no Bota, jamais pensei que 21 anos depois seria um ídolo. Ser lembrado após tanto tempo é bonito demais. A bola caiu nos meus pés por destino. Balançar a rede foi uma obra de Deus – disse.

Entre tantas coincidências, o exatacante quer lançar ainda este ano o livro O Grito de Liberdade de um Povo, que está em fase final de produção. Com a obra que conta a caminhada no Estadual de 89, Maurício quer resgatar a história de redenção e ajudar muita gente.

– Quero dividir minha alegria com todos. Vou lançar um livro e a renda irá para projetos sociais, além do Nilton Santos – destacou.

Companheiro de Maurício no ataque, Paulinho Criciúma resumiu o sentimento dos campeões:

– Aquele grupo é único e o título estava escrito na Estrela Solitária.

Fonte: Lancenet

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Título carioca de 2010 concretiza ‘profecia’ dos Trapalhões de 1989

Trecho de “A Princesa Xuxa e os Trapalhões” ganhou destaque após a conquista da Taça Guanabara pelo Alvinegro com a vitória sobre o Vasco

Agora sim terá gente confirmando: o filme dos Trapalhões de 1989 foi mesmo uma profecia. O trecho de “A Princesa Xuxa e os Trapalhões”, que ganhou destaque após a conquista da Taça Guanabara pelo Botafogo com a vitória sobre o Vasco, por 2 a 0, volta a ser lembrado agora que o Alvinegro conquistou também a Taça Rio e, consequentemente, o título do Campeonato Carioca.

Em uma das cenas do filme, que se passa no futuro, um menino encontra, em meio a informações do planeta Terra, um adesivo com a seguinte inscrição: “Botafogo – campeão 2010”. Sob o pretexto de brincar com o jejum de títulos do Glorioso (21 anos), findado em 89 com o gol de Maurício - justamente sobre o Flamengo - o filme fez com que os botafoguenses passassem a encarar o episódio como um possível prenúncio de sucesso na atual temporada.
Profecia ou não, o fato é que o Botafogo garantiu sua 19ª conquista do Carioca com a vitória por 2 a 1 sobre o Rubro-Negro, no Maracanã, depois de muito sofrimento. Os dois gols alvinegros foram marcados de pênalti, por Herrera e Loco Abreu. O Fla fez o seu com Vagner Love. Adriano ainda perdeu um pênalti na segunda etapa, defendido por Jefferson.

domingo, 26 de setembro de 2010

O Título e a Festa Botafoguense


A seleção do Campeonato Carioca 2010 foi escalada, em um evento realizado em uma casa de shows do Rio de Janeiro. E foi uma verdadeira celebração do Botafogo, clube campeão estadual depois de conquistar a Taça Guanabara e a Taça Rio. Cinco jogadores alvinegros foram escolhidos os melhores de suas posições, além do técnico Joel Santana, que foi o mais aplaudido da noite. O goleiro Jefferson foi apontado o craque, e o atacante Caio, a revelação. Vagner Love foi eleito o "Craque da Galera". Na cerimônia, o Botafogo também recebeu, oficialmente, a taça do Estadual.

Tabu quebrado, Botafogo vence o Flamengo e conquista o Título Carioca


Título incontestável

Foi um jogo nervoso, com três pênaltis, duas expulsões e muita provocações de ambos os lados. Um cenário perfeito para que enfim o Botafogo quebrasse a sina dos últimos anos e conquistasse o título carioca em cima de seu maior carrasco atual. Em um Maracanã vibrante, o Glorioso se deu melhor sobre o Flamengo por 2 a 1 e faturou a Taça Rio. Como já havia vencido a Taça Guanabara, a equipe de Joel Santana levou o prêmio duplo, o 19º título de sua história.

Esta foi a primeira vez desde 1998 que um clube carioca conquistou o título vencendo os dois turnos do Estadual. Os principais heróis da conquista foram o técnico Joel Santana, que soube levar um grupo contestado e que começou o campeonato sofrendo uma goleada de 6 a 0 para o Vasco, o uruguaio "Loco" Abreu, artilheiro e autor de um gol de pênalti com frieza na final, e o goleiro Jefferson, que pegou a cobrança de Adriano no segundo tempo e calou os críticos.

O clássico decisivo começou a mil, com muita disposição demonstrada por parte das duas equipes. Famintos pelo título, os dois times partiram para o ataque, dando bastante trabalho aos goleiros já nos minutos iniciais.

O corredor direito do campo foi o caminho escolhido pelo Rubro-Negro para investir sobre o adversário, quase sempre com Léo Moura. No meio, Michael procurou brechas para criar e servir o Adriano e Vagner Love na frente, mas encontrou dificuldades diante da fechada marcação alvinegra. Em comum, as duas equipes abusaram das jogadas aéreas em busca dos grandalhões “Loco” Abreu e Adriano, de cada lado do campo.

No Botafogo, surpreendentemente, o meio foi prioridade para criar as jogadas. A opção de Joel Santana por Somália na lateral-esquerda mostrava a preocupação do Fogão com a anulação de Léo Moura, o que, em partes, aconteceu. Portanto, o uniforme de garçom do ataque foi entregue à Renato Cajá, que dividiu a tarefa com Túlio Souza.

Mais ofensivo do que o rival no começo da partida, o Bota transformou suas investidas em resultado. Aos 20 minutos, Ronaldo Angelim derrubou Fábio Ferreira dentro da área e o juiz flagrou. Pênalti assinalado, pênalti convertido. Herrera bateu com força no contrapé de Bruno. Placar aberto para o Fogão.

Com o gol, o Flamengo acordou e passou a perturbar mais o goleiro Jefferson. Para intensificar a reação, Andrade sacou Vinícius Pacheco do banco de reservas para a saída de Toró. A mudança fez efeito, dando mais velocidade ao meio campo rubro-negro.

Enquanto um festival de cartões amarelos acontecia (oito até os 33 minutos), o Botafogo segurava como podia a vantagem que tinha em mãos. Mas o Flamengo não estava disposto largar o sonho do tetracampeonato tão fácil. No fim do primeiro tempo, aos 44 minutos, Michael levantou bola na área e, após tentativa fracassada de cabeçada de Adriano, foi Vagner Love que empurrou para as redes, com os pés, aproveitando a soneca de Antônio Carlos.

As equipes voltaram para a segunda etapa com a mesma escalação. Mas não demorou para que Joel Santana começasse a mostrar suas cartas na manga. Caio e Edno entraram no lugar de Túlio Souza e Renato, respectivamente. Era a tentativa do Glorioso de não estacionar atrás e partir para a vitória.

O festival de cartões continuava, e um deles foi fundamental para o trajeto da decisão. Aos 25 minutos, Maldonado cometeu a falta em Herrera, foi expulso, e mais uma penalidade estava assinalada. Desta vez, quem tratou de botar para dentro foi “Loco” Abreu. Com muita categoria, o uruguaio esperou a queda de Bruno para dar um toquinho na bola, que bateu no travessão e entrou. Virada do Fogão.

O jogo prosseguiu muito nervoso, e mais uma expulsão estava por vir. Fahel derrubou Adriano na área aos 33 e o árbitro marcou o terceiro pênalti da partida. Por reclamação, Herrera foi o segundo a ir para o vestiário mais cedo. Quando a torcida rubro-negra já esboçava comemoração pelo empate, Jefferson apareceu, se esticou no canto certo e defendeu a cobrança de Adriano.

Festa alvinegra nas arquibancadas do Maracanã. O Flamengo ainda pressionou no final, mas o Glorioso soube administrar o placar e se consagrou campeão carioca de 2010 antecipadamente.

FLAMENGO 1 X 2 BOTAFOGO

Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)

Data/hora: 18/4/10 - 16h (de Brasília)

Renda/Público: R$ 1.677.565,00 / 50.303 pagantes

Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca (RJ)

Auxiliares: Wagner de Almeida Santos (RJ) e Jackson Lourenço Massara dos Santos (RJ)

Cartões Amarelos: Bruno, Toró, Maldonado, Renato, Ronaldo Angelim, Somália, Alessandro, Túlio Souza, Vagner Love, Vinícius Pacheco, Leandro Guerreiro, Rodrigo Alvim, David

Cartões Vermelhos: Maldonado, Herrera

GOLS: Herrera 22'/1ºT (0-1), Vagner Love 44'/1ºT (1-1), Loco Abreu 26'/2ºT (1-2)

FLAMENGO: Bruno, Léo Moura, David, Angelim e Rodrigo Alvim; Toró (Vinicius Pacheco - 24'/1ºT), Willians, Toró e Michael; Adriano e Vagner Love. Técnico: Andrade.

BOTAFOGO: Jefferson, Fábio Ferreira, Antônio Carlos e Fahel; Alessandro, Leandro Guerreiro, Túlio Souza (Caio - 13'/2ºT), Renato (Edno - 19'/2ºT) e Somália; Herrera e Loco Abreu. Técnico: Joel Santana

SEMIFINAL DA TAÇA RIO - Botafogo 3x2 Fluminense

Bota vira e elimina o Flu

Se o Botafogo estava mais perto da conquista do Campeonato Carioca do que os outros grandes do Rio de Janeiro, essa distância diminuiu mais na noite deste sábado.Em um jogo cheio de surpresas, o Bota venceu o Fluminense por 3 a 2, no Maracanã, e garantiu sua vaga na final da Taça Rio. O adversário do alvinegro na decisão será conhecido neste domingo, na outra semifinal que será disputada entre Flamengo e Vasco.

Caso conquiste o returno do Carioca, o clube de General Severiano levantará o caneco do Estadual antecipadamente, já que faturou a Taça Guanabara.

O Clássico Vovô começou a mil no Maracanã. Apesar de as equipes entrarem em campo com a formação defensiva composta por três zagueiros, Botafogo e Fluminense partiram para o ataque nos minutos iniciais. E logo aos quatro minutos aconteceu o primeiro gol. Túlio Souza levantou bola na medida para Loco Abreu mandar de cabeça, no canto do gol de Rafael: 1 a 0 Botafogo.

Com o placar aberto, o Bota acabou sumindo no Maracanã. Após o gol, o que se viu em todo o restante da primeira etapa foi quase um massacre tricolor. Aos oito minutos, após bate e rebate dentro da área, Leandro Guerreiro colocou a mão na bola e o árbitro assinalou a penalidade. Era mesmo um jogo cheio de surpresas: Fred desperdiçou a cobrança, mandando a bola no travessão.

Mas a superioridade do Fluminense se manteve. Com Everton e Conca no meio, o Tricolor criava muitos mais oportunidades e encontrava espaços deixados pelo Alvinegro com facilidade. A recompensa veio só aos 27, quando Diguinho cruzou com categoria para Fred que só teve o trabalho de cabecear para dentro da rede de Jefferson.

O empate alcançado ainda não traduzia o domínio do Flu dentro das quatro linhas. O Botafogo sentia a ausência de Lucio Flavio e não mostrava criatividade na saída de bola. E assim o Fluminense virou. Aos 31, Alan avançou pela direita e tocou nos pés de Fred, que girou com talento sobre Fábio Ferreira e chutou firmemente no canto esquerdo de Jefferson.

A segunda grande chance do Botafogo só apareceu aos 36 minutos, após cruzamento na área, Fahel cabeceou com força, mas a bola passou por cima do gol. Aos 47, outro susto: gol anulado do Fogão. Não foi à toa, já que Herrera, impedido, ajeitou a bola com as mãos e marcou em seguida.

Na volta ao jogo, mudanças no Bota. Joel Santana tirou Sandro Silva e Túlio Souza para colocar Caio e Edno, respectivamente. Deu certo. Com mais mobilidade, o alvinegro voltou para o segundo tempo com outra cara. Mais veloz, o Botafogo ganhou em poder de fogo com as substituições. Prova disso foi o gol de empate, que partiu dos pés de Edno. O meia levantou bola na área, Fahel se livrou da marcação e guardou a redonda no canto esquerdo do gol de Rafael, que se atrapalhou ao tentar a defesa.

O panorama do clássico mudava mais uma vez. Após o empate, o time de Joel reagiu e passou mandar no clássico. A estrela de Joel Santana já havia brilhado uma vez, com o passe de Tulio Souza (escolhido para substituir Lucio Flavio) que originou o primeiro gol.

Mas um personagem que definiu momentos importantes para o Botafogo durante a temporada voltaria a decidir. Caio justificou o apelido de Talismã e, aos 25 minutos, matou bola aérea no peito e chutou de longe para marcar o terceiro do Botafogo.

O Fluminense tentou desordenadamente encontrar o gol de empate e até obrigou Jefferson a fazer difícil defesa no fim do jogo, mas o Botafogo dominou o jogo e perdeu chance com Loco Abreu. O time de Joel Santana conseguiu segurar o jogo e garantir a classificação para a final da Taça Rio. Agora o Botafogo está a uma vitória de conquistar o título do Campeonato Carioca.

BOTAFOGO 3 X 2 FLUMINENSE

Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)

Data/hora: 10/4/2010 - 18h30 (de Brasília)

Árbitro: Péricles Bassols Pegado Cortez (RJ)

Cartões amarelos: Leandro Guerreiro, Antônio Carlos, Leandro Euzébio, Túlio Souza, Herrera, Alan, Gum

Cartão vermelho: Cássio (43'/2ºT)

GOLS: Loco Abreu 4'/1ºT (1-0), Fred 27'/1ºT (1-1), Fred 31'/1ºT (1-2), Fahel 15'/2ºT (2-2), Caio 25'/2ºT (3-2)

BOTAFOGO: Jefferson, Fahel, Antônio Carlos e Fábio Ferreira; Alessandro, Leandro Guerreiro, Sandro Silva (Caio - intervalo), Túlio Souza (Edno) e Somália (Marcelo Cordeiro - 48'/2ºT); Herrera e Loco Abreu. Técnico: Joel Santana.

FLUMINENSE: Rafael, Leandro Euzébio (Welington Silva - 27'/2ºT), Cássio e Gum; Mariano, Diguinho, Conca, Everton e Julio Cesar (Marquinho - 16'/2ºT); Alan (André Lima - 30'/2ºT) e Fred. Técnico: Cuca.

Fonte: Fifa.com

Taça Rio 2010


O Botafogo mesmo tendo ganho a Taça Guanabara priorizou a Taça Rio como uma grande oportunidade de liquidar logo o Campeonato, o Time fez uma ótima Campanha no 2º turno e terminou em 1º lugar no grupo B com 17 pontos se classificando para a semifinal do 2º turno do Campeonato Carioca.

REDENÇÃO BOTAFOGUENSE - Botafogo 2x0 Vasco


Parecia o roteiro de um filme. Em menos de um mês, o Botafogo saiu literalmente do fundo do poço para a glória. Na tarde de domingo doa dia 20 de fevereiro de 2010, a equipe venceu o Vasco por 2 a 0 no Maracanã e conquistou a Taça Guanabara pela sexta vez em sua história.

Empurrados por suas torcidas, Vasco e Botafogo iniciaram o jogo com muita disposição. Ao ataque, as duas equipes escolheram as laterais como melhor forma de buscar o gol. Aos quatro minutos, o Botafogo fez valer a escolha inicial e quase chegou lá. Pela esquerda, Lucio Flavio achou Loco Abreu, que se movimentou bem e por muito pouco não chegou na bola. Também pela esquerda de ataque, Carlos Alberto decidiu aparecer e foi acionado por diversas vezes, mas sem sucesso.

Longe de inspiração, mais uma vez o setor ofensivo do Bota ficou dependente das bolas áreas vindas da defesa. Apesar da luta, Loco Abreu e Herrera pouco produziram. Ainda assim, mais organizado em campo, o time saiu em busca do resultado. Em um dos tantos cruzamentos na área, Alessandro pegou firme na bola após falha da defesa vascaína e só não marcou porque Herrera tentou desviar para a rede e, ao invés de marcar, impediu a festa alvinegra. Se a ordem era buscar a bola aérea, Marcelo Cordeiro foi outro jogador que apareceu bastante, sempre presente nas jogadas de perigo.

Em geral, a primeira etapa deixou a desejar na parte técnica, apesar da vontade. Com o ritmo mais lento ao se aproximar do intervalo, o Vasco chegou mais forte e fez despertar o talento de Philippe Coutinho. Agora pelo meio, o jovem assustou a defesa adversária, mas pecou no último passe. Para desespero vascaíno, na chance mais clara de gol do time, Dodô titubeou e deixou a bola escapar do seu domínio.

Na volta do vestiário, a partida continuou morna e ambas as partes dividiram as oportunidades no ataque. Entre as chances perdidas, Herrera recebeu sozinho dentro da área e tentou encobrir Fernando Prass, mas o goleiro realizou bela defesa, aos dois minutos. Já pelo Vasco, Carlos Alberto subiu de produção e quase abriu o placar de fora da área, mas a bola foi para fora.

Em dificuldade, Joel Santana buscou seu talismã no banco de reservas e assim como nas semifinais contra o Flamengo, trocou Lucio Flavio, apagado em campo, por Caio. Na base da velocidade, a mudança surtiu efeito e mais uma vez, o atacante fez a diferença. Mais presente ofensivamente, Caio sofreu falta que resultou em escanteio. Na cobrança de Marcelo Cordeiro, Fábio Ferreira subiu mais alto que os zagueiros vascaínos e de cabeça, fez explodir a galera botafoguense.

Mais tranquilo com o gol, o Bota ainda ganhou um fôlego a mais com a expulsão de Nilton, aos 26 da segunda etapa, após carrinho desleal em Caio. Para tentar reverter a situação, Vagner Mancini avançou o Cruzmaltino com a entrada de Rodrigo Pimpão, mas o balde de água fria estava por vir. Em lance infantil, Titi recebeu cartão amarelo em falta na linha lateral e na jogada seguinte, puxou Loco Abreu dentro da área. Marcelo de Lima Henrique marcou a penalidade, expulsou Titi e deu a chance para o uruguaio marcar na decisão. De frente para Fernando Prass, El Loco colocou no canto esquerdo do goleiro e decretou de uma vez o dono do título.

Vasco 0 x 2 Botafogo

Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 21/2/2010 - 17h1 (de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés (RJ) e Ricardo Maurício Ferreira de Almeida (RJ)

Renda/público: R$ 2.078.890,00 / 66.957 pagantes
Cartões amarelos: Léo Gago, Titi (VAS); Marcelo Cordeiro, Fábio Ferreira (BOT)
Cartões vermelhos: Nilton, 26'/2ºT (VAS); Titi, 37'/2ºT (VAS)
Gols: Fábio Ferreira, 24'/2ºT (0-1); Loco Abreu, 39'/2ºT (0-2)

Vasco: Fernando Prass, Élder Granja, Fernando, Titi e Márcio Careca; Nilton, Souza (Rafael Carioca, 20'/2ºT), Léo Gago (Magno, intervalo), (Rodrigo Pimpão, 32'/2ºT) e Carlos Alberto; Philippe Coutinho e Dodô
Técnico: Vágner Mancini.

Botafogo: Jefferson, Fábio Ferreira, Fahel e Wellington; Alessandro, Leandro Guerreiro, Eduardo, Lucio Flavio (Caio, 17'/2ºT) e Marcelo Cordeiro; Herrera e Loco Abreu (Renato, 41'/2ºT)
Técnico: Joel Santana.

SEMIFINAL DA TAÇA GB - Botafogo 2x1 Flamengo

Nas últimas horas da Quarta-Feira de Cinzas, o Botafogo iniciou o seu Carnaval. A vitória sobre o Flamengo por 2 a 1, de virada, na semifinal da Taça Guanabara transformou o Maracanã em uma quadra de escola de samba, da qual só metade saiu comemorando. De quebra, o Alvinegro botou água no chope da festa de Adriano, que completou 28 anos nesta quarta-feira.

Vinícius Pacheco marcou o gol do Flamengo, mas o Alvinegro atacou pelo alto e Marcelo Cordeiro e o jovem Caio levaram o time para a decisão contra o Vasco.

Joel leva o Botafogo as semifinais da Taça Guanabara

Após golear o Resende, o Alvinegro se classificou em 2º lugar no grupo B com 18 pontos ganhos e foi a semifinal para enfrentar o Flamengo.

Joel Santana assume o Botafogo

Com a saída de Estevam Soares do comando do Botafogo, o clube não perdeu tempo e trouxe o técnico Joel Santana, Campeão Carioca de 1997 pelo Botafogo. "Papai Joel" Quando foi apresentado no Botafogo, em meio a uma crise agravada pela derrota por 6 a 0 para o Vasco, Joel Santana chamou para si a responsabilidade de liderar a volta por cima. Lembrando seu retrospecto na história do Campeonato Carioca, o treinador avisou: “A festa vai começar”.

BOTAFOGO 0X6 VASCO - O desastre!


Vasco faz seis no Botafogo

No dia 24/02/2010 Numa Tarde de uma grande homenagem ao eterno ídolo Garrincha sendo eternizado no Engenhão em forma de estátua, na estréia do atacante El Loco Abreu diante da torcida no Engenhão o Botafogo foi goleado pelo Vasco por 6x0 jogo disputado pela Taça Guanabara com show do ex Botafoguense Dodô marcando 3 dos 6 gols do Vasco. No dia seguinte o então técnico Estevam Soares foi demitido e Joel Santana assumiu o time para dar sequência no Campeonato Carioca.